CASO MARIELLE: ESQUERDA SUGERE ‘QUEIMA DE ARQUIVO’ EM MORTE DE MILICIANO

A morte de Adriano Magalhães de Nóbrega, miliciano ligado ao assassinato da ex-vereadora Marielle Franco, repercutiu entre políticos de esquerda, que sugerem uma suposta “queima de arquivos” do caso. Eles pedem investigação e associam o policial à família Bolsonaro.
O miliciano foi morto neste domingo (9.fev.2020) depois de troca de tiros com policiais militares na zona rural de Esplanada, na Bahia.
O Ministério Público do Rio (MP-RJ) aponta Adriano como chefe da milícia do Rio das Pedras e do chamado “Escritório do Crime”, que é investigado no inquérito que apura o assassinato de Marielle Franco, vereadora do Rio de Janeiro morta em 14.mar.2018. A Secretaria de Segurança Pública da Bahia diz, em nota, que Adriano era suspeito de envolvimento no assassinato.
Pelo Twitter, o PSOL disse que Adriano “poderia ser a chave” para revelar o caso de Marielle Franco. “Exigimos respostas”, comunicou. Guilherme Boulos, ex-candidato à Presidência pelo partido, disse que é preciso investigar as circunstâncias da morte de Adriano, e que “há cheiro de queima de arquivo no ar”.
O deputado Ivan Valente (PSOL-SP) disse que o policial era íntimo da famílias Bolsonaro. “Investigações sobre crimes do clã Bolsonaro se arrastam, agora devem ficar ainda mais morosas”, declarou.
No PT, o também ex-candidato à Presidência Fernando Haddad questionou“Será que os Bolsonaros estão tristes pela perda do amigo?”. O deputado federal Paulo Pimenta (PT-RS) escreveu que Adriano era peça valiosa no “esquema criminoso da quadrilha que está no Palácio do Planalto hoje”.
“Foi homenageado por Jair Bolsonaro na tribuna da Câmara, Flávio lhe deu a Medalha Tiradentes e Sergio Moro o excluiu da lista de mais procurados da Justiça”, disse o congressista.
CASO MARIELLE: ESQUERDA SUGERE ‘QUEIMA DE ARQUIVO’ EM MORTE DE MILICIANO CASO MARIELLE: ESQUERDA SUGERE ‘QUEIMA DE ARQUIVO’ EM MORTE DE MILICIANO Reviewed by Francisco Erivan Justino on segunda-feira, fevereiro 10, 2020 Rating: 5

Nenhum comentário: