domingo, 31 de março de 2013

1º DE ABRIL DE 1981: PARTE DE SANTA CRUZ É DESTRUÍDA POR ENCHENTE - 32 ANOS DA TRAGÉDIA

Santa Cruz relembra neste 1º de Abril, 32 anos da enxurrada que destruiu parte da cidade

Por O Paralelo
A população santacruzense relembra nesta segunda, 1° de abril, os 32 anos da grande enchente que ocorreu em 1981. Enchente essa que deixou mais de 5 mil desabrigados e um rastro de destruição na cidade.
A tragédia só não foi maior porque a telefonista da época e hoje professora Maria de Fátima ao perceber que as fortes chuvas na cidade de Campo Redondo, região do Trairi, levariam a barragem Mãe D’água ao rompimento, Maria de Fátima alertou o prefeito do município vizinho, Santa Cruz, do risco. Três horas depois a cidade foi devastada pelas águas. Tempo em que a telefonista convenceu as autoridades de que a notícia não era uma brincadeira motivada pelo 1º de abril, Dia da Mentira, data da tragédia.
Apesar da dificuldade para ser acreditada, a telefonista conseguiu que os moradores fossem orientados a abandonar suas casas e procurar os lugares mais altos da cidade. Quando a água passou por Santa Cruz, sua força destruiu 1.044 casas, mas apenas um óbito foi registrado. Em seguida, Maria de Fátima contatou o Governo do Estado para pedir socorro e atravessou a noite, sob a luz gerada pela bateria de um carro, dando informações aos parentes desesperados em busca de notícias.
O então governador Lavoisier Maia decretou estado de calamidade pública em toda a região do Trairi e levou fotos da tragédia ao presidente da República, João Figueiredo. O ministro do Interior na época, Mário Andreazza confidenciou ao prefeito de Santa Cruz: Hildebrando Teixeira, só ter visto cena igual em guerra.
Muitos se solidarizaram com a situação que se encontrava o município e um mutirão que envolveu as três forças armadas, instituições públicas e privadas, ONGs, voluntários, igreja e as próprias vítimas foi formado com o objetivo de reconstruir a cidade.
Hoje a cidade de Santa Cruz está totalmente recuperada da enchente de 1981, e os moradores mais afetados que moravam a margem do Rio Inharé tiveram suas casas reconstruídas pelo Estado, dando origem a um novo bairro na cidade: o Conjunto Cônego Monte. Porém, a tragédia jamais saiu da mente daqueles que sofreram com a inundação.
Passada a tragédia, restam as lembranças de um 1981 de muita tristeza, mas  também de superação do povo santacruzense. 
Recuperada, hoje Santa Cruz e região enfrentam um novo problema. A maior seca dos últimos 50 anos.
Fontes de pesquisa: Diário de Natal/Blog do Edgar Santos