BRASILEIRO NÃO SABE SE ESCUTA O MINISTRO OU O PRESIDENTE, DIZ MANDETTA


Em entrevista ao Fantástico (TV Globo) deste domingo (12.abr.2020), o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta, apontou problemas no fato de haver divergências entre suas orientações e as do presidente Jair Bolsonaro para o enfrentamento à covid-19. O chefe do Executivo federal é contra as medidas de distanciamento social amplo, diferentemente do que prega o Ministério da Saúde.

“Eu espero uma fala única, uma fala unificada. Porque isso leva ao brasileiro uma dubiedade. Ele não sabe se ele escuta o ministro da Saúde, se ele escuta o presidente, quem ele escuta“, disse Mandetta. Segundo a emissora, a entrevista foi concedida na sede do governo de Goiás, o Palácio das Esmeraldas, em Goiânia.

Sem citar diretamente o presidente, Mandetta também chamou de “coisa equivocada” a presença de pessoas em “encostadas“ em padarias. Bolsonaro visitou, na 5ª feira (9.abr.2020), uma padaria da Asa Norte, em Brasília, e provocou aglomeração em frente ao local.

“Quando você vê as pessoas entrando em padaria, entrando em supermercados, encostadas, grudadas, isso é claramente uma coisa equivocada“, afirmou Mandetta.

O ministro disse entender que o presidente se preocupa com o lado econômico da crise, mas que é preciso ter uma validação entre os diferentes jeitos de lidar com a crise e se chegar a uma fala única.

“Se eu estou ministro da Saúde, eu estou ministro da Saúde por obra de nomeação do presidente. O presidente olha muito também pelo lado da economia e chama muito a atenção o lado da economia. O Ministério da Saúde entende a economia, entende a cultura, entende a educação, mas chama pelo lado de equilíbrio de proteção à vida”, declarou.

Ele chegou a dizer que se cada empresário ou setor econômico começar a achar que é essencial e voltar ao trabalho pode haver 1 efeito cascata. E, se esse quadro for seguido, o Ministério da Saúde apontará na semana seguinte o que cada setor causou de impacto no contágio em cada região.

Na entrevista, o ministro disse também que o Brasil ainda não chegou ao momento mais crítico da crise do coronavírus. O país tinha, até 14h deste domingo (12.abr), mais de 22.000 casos da doença. “A gente acha que maio e junho vão ser realmente os nossos meses mais duros“, afirmou.

O presidente chegou a dizer mais cedo, em live de Páscoa com líderes religiosos, que a “questão do vírus parece estar indo embora”. O discurso vai de encontro ao do ministro Mandetta, que afirmou na entrevista que o comportamento da doença e as projeções de contaminação e de vítimas dependerá das atitudes da sociedade sobre seguir o isolamento ou não.

“Ela [divergência entre discursos] preocupa porque a população olha e fala assim: será que o ministro da Saúde é contra o presidente? E não há ninguém contra ou a favor de nada. É o que eu digo, o nosso inimigo, o nosso adversário, quem que a gente tem que ter foco para falar ó é esse aqui, que é o nosso problema, o coronavírus”, completou.

O ministro reafirmou o tripé de conceitos que vem empregando no combate à nova doença: disciplina, foco e ciência. Ele chegou a comparar indiretamente quem não segue as orientações de afastamento como 1 diabético que insiste em comer doces mesmo com os avisos de que pode ter problemas de visão ou de amputação de membros. Ele afirma que não será “num passe de mágica” que a crise será superada no Brasil.
ENGENHEIROS DE OBRAS PRONTAS

O ministro disse também que nos próximos 2 meses, que devem ser os mais estressantes para o sistema de saúde brasileiro, sua pasta receberá críticas e as decisões tomadas serão constantemente questionadas seja quem for que esteja à frente dela.

“Sabemos que serão dias duros, seja conosco ou seja com qualquer outra pessoa. Achamos que nós teremos muitas no mês de maio, no mês de junho e em algumas regiões, julho. Nós teremos dias muito duros”, disse.

Para ele, será aí que entrarão os “engenheiros de obras prontas”. Porque criticarão as ações do ministério depois dos resultados da doença no Brasil terem sido os do cenário otimista ou do cenário pessimista.

“Teremos uma confrontação entre o que somos e para onde queremos ir constante nesses meses agora que temos pela frente. Serão aí 2 a 3 meses de muito questionamento das práticas de todos. E obviamente que o Ministério da Saúde vai ser o ministério mais questionado”, completou.
SILÊNCIO BARULHENTO

O Poder360 apurou que nem Bolsonaro nem ninguém no governo tinha conhecimento prévio sobre a entrevista. Bolsonaro e seus principais ministros só souberam pelas chamadas que a TV Globo fez anunciando a conversa. O presidente tem feito críticas recorrentes à emissora e chegou a recomendar, em 27 de fevereiro, que seus ministros não atendessem aos pedidos de entrevista da Globo.

O presidente, que já fez críticas públicas a seu ministro, contudo, permaneceu em silêncio na noite deste domingo (12.abr). Entre as críticas do mandatário que atingiram Mandetta está justamente a de que alguns de seus subordinados “viraram estrelas. Falam pelos cotovelos, têm provocações [sic]”.

Bolsonaristas estariam muito irritados com as declarações do ministro, que tornaram públicas mais uma vez a divergência de ideias entre ele e o chefe de Estado. Falam em “insubordinação” e temem que Bolsonaro possa demitir Mandetta. Se o presidente não se pronunciar sobre o fato, a ordem interna é de que nenhum ministro deve rebater Mandetta. Pelo menos até esta 2ª feira (13.abr).

Se Bolsonaro não falou, o 1º aliado do presidente a fazê-lo foi o marqueteiro da Aliança pelo Brasil, Sergio Lima. Pelo Twitter, ele apontou “traição“, sem mencionar diretamente o ministro da Saúde.

“A vaidade e o ego inflam o balão do caracter que vai se afinando quanto mais gordo fica. Jamais temos que dar crédito ou reconhecimento a quem trai aquele que o levantou. Seria minimamente honrado se pedisse demissão“, escreveu.
BRASILEIRO NÃO SABE SE ESCUTA O MINISTRO OU O PRESIDENTE, DIZ MANDETTA BRASILEIRO NÃO SABE SE ESCUTA O MINISTRO OU O PRESIDENTE, DIZ MANDETTA Reviewed by Francisco Erivan Justino on segunda-feira, abril 13, 2020 Rating: 5

Nenhum comentário: