SEM MILITARIZAÇÃO, UNIFICAÇÃO DAS POLÍCIAS É CONSENSO ENTRE CATEGORIA


Após anos em discussão na Câmara dos Deputados, a Comissão Especial que discute a unificação das polícias civil e militar vai se reunir nesta quarta-feira, 4, para votar o parecer do relator, deputado federal Vinícius Carvalho (PRB-SP) sobre o assunto, que é bem entre os representantes de classes no Rio Grande do Norte. O tema destoante e que pode gerar críticas ou defesas é o que o relatório trouxe a respeito da militarização. Afinal, esse tem sido o ponto mais polêmico da proposta.
Até o momento, o texto do relatório do deputado Vinícius Carvalho ainda não foi divulgado, mas em maio o parlamentar adiantou que apresentaria uma proposta de emenda à Constituição (PEC) com normas genéricas prevendo a unificação das forças policiais. Segundo ele, caberá a cada estado, individualmente, decidir se fará a mudança de imediato ou não.
Se mantiver essa opinião, o projeto de unificação não deverá ter maiores resistências no Rio Grande do Norte. Representantes das polícias civil e militar, ouvidos pelo Jornal Agora RN concordaram com a proposta, desde que os pormenores não fossem detalhados. “Por nós, essa proposta é bem aceita, porque o modelo atual já se demonstrou não ser o melhor, visto que hoje nós temos duas meias-polícias”, avaliou o presidente da Associação de Cabos e Soldados da PM, Roberto Campos.
A “meia-polícia” a qual se referiu o policial militar se refere ao fato do chamado e defendido “ciclo completo” da polícia não estar, atualmente, em funcionamento. A PM prende alguém e só pode fazer “metade do trabalho”, deixando a Polícia Civil com a missão de completar o serviço.
“Somos favoráveis, justamente, pelo fato de que a questão do ciclo completo já estar, basicamente, previsto nesse projeto de unificação, para que o policial possa ‘pegar’ a ocorrência até o final”, afirmou o presidente do Sindicato dos Agentes da Polícia Civil (Sinpol), Nilton Ferreira.
O presidente do Sinpol, porém, fez uma ressalva: é favorável ao projeto, desde que ele não inclua a militarização dentro dessa unificação. “Hierarquia e disciplina é algo inerente ao serviço público – e até ao privado. Não é preciso ser uma instituição militar para ter isso”, afirmou Ferreira.
SEM MILITARIZAÇÃO, UNIFICAÇÃO DAS POLÍCIAS É CONSENSO ENTRE CATEGORIA SEM MILITARIZAÇÃO, UNIFICAÇÃO DAS POLÍCIAS É CONSENSO ENTRE CATEGORIA Reviewed by Erivan Justino on 04 julho Rating: 5
Postar um comentário

Romário Bispo