TCU LIBERA E OBRAS DA RETA TABAJARA SERÃO PARCIALMENTE RETOMADAS PELO DNIT


Paralisadas desde o último dia 25 de abril por suspeitas de irregularidades em seu projeto executivo (que podem ter causado prejuízos de até R$ 68,7 milhões aos cofres públicos), as obras de duplicação da BR-340, conhecida popularmente como a Reta Tabajara, teve sua retomada parcialmente liberada pelo Tribunal de Contas da União (TCU). A autorização da Corte nacional aconteceu na última quarta-feira, 23.
Desde que haviam sido paralisadas, as obras da Reta Tabajara sofreram insistentes investidas da Superintendência Regional do Departamento Nacional de Infraestrutura e Transportes (DNIT-RN) na intenção de voltarem a serem executadas nos pontos em que o TCU não constatou qualquer irregularidade. Somente nesta quarta-feira a medida cautelar do órgão foi alterada, permitindo a retomada das intervenções.
Entre os pontos que o DNIT havia solicitado ao TCU para que as obras fossem recomeçadas estão os serviços de drenagem, terraplanagem, obras de arte especiais, obras de arte corrente, iluminação, implantação de passarelas, construção do prédio da Polícia Rodoviária Federal e algumas outras intervenções complementares.
A justificativa do Departamento para que estes pontos tivessem suas obras retomadas foi a necessidade da manutenção dos empregos e da redução de despesas em razão da desmobilização, deterioração, perda e preservação dos materiais. Ao todo, as intervenções têm valor estipulado em R$ 237,4 milhões.
Além das situações já explanadas, o DNIT também utilizou com argumento para a retomada das obras o fato da Reta Tabajara ser uma rodovia importante que atende o polo industrial do Rio Grande do Norte, como também a possibilidade de minimizar os riscos de acidentes na região, que estavam iminentes devido a paralisação dos serviços.
TCU LIBERA E OBRAS DA RETA TABAJARA SERÃO PARCIALMENTE RETOMADAS PELO DNIT TCU LIBERA E OBRAS DA RETA TABAJARA SERÃO PARCIALMENTE RETOMADAS PELO DNIT Reviewed by Erivan Justino on 25 agosto Rating: 5
Postar um comentário

Romário Bispo