‘O JOGO BALEIA AZUL SÓ AUMENTA A TRISTEZA’, DIZ JOVEM QUE SOBREVIVEU AO JOGO

Em uma entrevista divulgada pelos jornais Extra O Globo, uma menina de 15 anos, moradora da zona oeste do Rio e sobrevivente do jogo Baleia Azul, faz um apelo para que jovens não entrem na “brincadeira”. O jogo, que consiste em 50 fases, estimula a automutilação e o suicídio. A Polícia Civil fluminense já tenta identificar supostas vítimas do “game” e busca localizar responsáveis pelas tentativas de aliciá-las.
A menina conta que já sabia da existência do jogo desde o fim do ano passado, mas só passou a conhecer melhor no início deste ano por meio de amigos que compartilharam no Facebook.
“Eu pensei que seria uma saída para mim. Uma saída para a minha tristeza. Tinha o perfil com uma baleia. Eu disse pra ele que queria participar do jogo e ele perguntou se eu tinha certeza porque não tinha mais volta se eu entrasse”, detalha a jovem, cuja participação foi descoberta pela mãe. A jovem foi internada em um hospital na zona oeste do Rio.
“Ele (o perfil de baleia) pediu três cortes e eu fazia e tinha que mandar para ele vídeo ou foto. Ele pedia mais vídeo para poder saber que era eu mesma. Eu confiava no jogo, eu acreditava que aquilo ali ia me fazer ter coragem de suicidar”, diz a jovem. Na última fase, o jogo pede que o participante se mate.
A menina orienta que outras pessoas não embarquem no jogo. “Se eu fosse elas eu não entraria (no jogo). Isso só vai te causar coisas ruins. E ao invés de parar sua tristeza, só vai aumentar. E vai acumular, acumular, e quando você vê vai estar vazio por dentro e por fora. Eu pediria a eles para poder apostar, uma única chance, em uma coisa que goste. Uma música boa na rádio e que ela goste. Talvez ela possa escutar aquilo e se sentir melhor. Eu sei o quanto dói, mas não vai ser um jogo que vai fazer você parar de sentir dor e nem a morte”.
Apuração. As investigações sobre o jogo do Rio foram iniciadas há cerca de duas semanas por policiais da Delegacia de Repressão aos Crimes de Internet (DRCI). Pelo menos quatro testemunhas já foram ouvidas pela delegada Fernanda Fernandes, responsável pelo caso.
Segundo a policial, a chegada do jogo ao Rio foi comprovada na semana passada, quando a mãe de uma adolescente foi à delegacia relatar que a filha teria recebido mensagens do grupo. De acordo com Fernanda, a menina não chegou a entrar no jogo, mas foi identificada como uma “vítima em potencial”. Indícios de outros casos também chegaram à delegacia, mas ainda estão em fase de identificação.
“Nós estamos fazendo um trabalho de prevenção. Queremos chegar às vítimas, rastrear a atuação do grupo e evitar que haja algum caso de morte. Estamos lutando contra o tempo”, disse a delegada.
Em Vila Rica, cidade a 1.276 km de Cuiabá (MT), a Polícia Civil investiga se a morte de uma estudante de 16 anos teria a ver com o jogo. O corpo da adolescente foi encontrado sem vida no fundo de uma represa. A polícia suspeita que a morte tenha ligação com o grupo porque teria sido encontrado um código escrito no braço da adolescente.
‘O JOGO BALEIA AZUL SÓ AUMENTA A TRISTEZA’, DIZ JOVEM QUE SOBREVIVEU AO JOGO ‘O JOGO BALEIA AZUL SÓ AUMENTA A TRISTEZA’, DIZ JOVEM QUE SOBREVIVEU AO JOGO Reviewed by Erivan Justino on 19 abril Rating: 5
Postar um comentário

Romário Bispo