IFRN E EMPRESAS POTIGUARES FIRMAM PARCERIAS DO "PROGRAMA JOVEM APRENDIZ"

IFRN e empresas potiguares firmam parcerias do Programa Jovem Aprendiz
A dispensa da taxa de administração de contratos está entre os atrativos oferecidos pela Instituição
“Ser aprendiz é uma oportunidade totalmente nova no Instituto Federal do Rio Grande do Norte e é imperdível poder colocar em prática os conhecimentos teóricos aprendidos em sala de aula. E tudo isso com carteira assinada, contando tempo de serviço, com todos os direitos trabalhistas e ainda poder utilizar como prática profissional para o final do curso”.
Foi com esse chamamento que o professor Thiago Loureiro, da Assessoria de Relações com o Mundo do Trabalho do IFRN, encerrou a entrevista na qual falou sobre a inserção do Instituto no Programa Jovem Aprendiz, mantido pelo Governo Federal. Na ocasião, ele falou ainda sobre apalestra realizada com empresários no auditório da Reitoria, da oferta de emprego e sobre outros assuntos que você confere logo abaixo:
1 O que destacaria como saldo positivo da palestra?
Estiveram presentes representantes de vinte empresas. À tarde do mesmo dia, a Vicunha, uma das maiores indústrias têxteis do Brasil e do mundo, já começou a contratar alguns alunos do Instituto. Isso motiva, tanto que, desde então, temos feito contato com outras empresas que participaram e, também, que não participaram do encontro. Um caso interessante é o da CDA distribuidora, empresa com atuação no segmento de distribuição de produtos industrializados. Eles, que já estavam em processo de contratação com nossos os alunos, têm divulgado nossa oferta de aprendizes para outras empresas, como é o caso da Garoto, que esteve buscando aprendizes entre os alunos do Campus Natal-Central por indicação da CDA.
2 Qual a importância do SUAP para os alunos interessados no programa?
Esse ano criamos um módulo em que todos os estágios e vagas de Aprendizes são informadas. Assim, além da tradicional divulgação que já é feita nos campi, o aluno está recebendo um aviso na sua tela de início do SUAP quando há oferta de vaga para a turma dele. Além desse aviso, estamos implantando um sistema de alerta por mensagem de e-mail. 
3 E em relação a essa oferta, como é que o empresário e o aluno do Instituto podem ficar sabendo que cursos do IFRN estão aptos a oferecer aprendizes?
O aluno pode ficar sabendo no setor específico do campus dele que trata do estágio – em boa parte dos campi esse setor é a coordenação de Extensão, mas em alguns já há o setor próprio de estágio. Geralmente, os servidores envolvidos, quando há alguma vaga, colocam cartazes nos quadros de aviso e fazem postagem no próprio Facebook do campus. Já o empresário pode buscar informações no site do IFRN. Dentro do portal, na aba da Extensão, há o link para a Assessoria de Relações com o Mundo do Trabalho. Ali, ele consegue obter todas as informações tanto de estágio quanto de aprendizes. Lá ainda estão disponíveis todos os programas de cada curso oferecido pela Instituição, seja ele integrado ou subsequente, assim como a carga horária semanal de um deles. Além disso, pelo telefone 4005-0891, que é número aqui da Pró-Reitoria de Extensão, os empresários e os estudantes podem tirar dúvidas. Nossa intenção é a de que aproximadamente 1.500 alunos dos cursos técnicos integrados e subsequente estejam aptos e capacitados a assumir uma vaga no mercado de trabalho formal já no primeiro semestre letivo de 2017. 
4 Sobre a carteira de trabalho: quais os trâmites para solicitação e quais as dicas que a Assessoria dá aos estudantes que ainda não fizeram o documento?
De fato, há, em todo o Brasil, uma certa demora para tirar a Carteira de Trabalho e Previdência Social (CTPS) em razão da enorme demanda diária dos postos de atendimento.  Mantivemos uma conversa com servidores do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) lotados na unidade do Alecrim. Lá, em casos emergenciais, se poderá agilizar os trâmites do processo do nosso aluno. Caso já tenha sido selecionado, poderá fazer contato com a Coordenação de Extensão ou a Coordenação de Estágio do Campus. Existem outros postos do Ministério do Trabalho ou Central do Cidadão em alguns municípios do RN em que o processo está um pouco mais rápido do que na capital. Então, hoje, a dica para o aluno é que ele procure solicitar o mais rápido possível e não espere até o final do prazo.
5 Qual a data-limite para contratação?
Uma informação importantíssima para os empresários é que a nossa data de contratação dos campi da Grande Natal é dia 23 de março. Então aquele empresário que tenha interesse em contratar um aprendiz do IFRN deve, logo após o carnaval, fazer contato conosco para que já comece a encaminhar todo processo seletivo para que ele possa solicitar toda documentação do aluno, enfim, fazer todo o trâmite para que, exatamente no dia 23 de março, já esteja trabalhando na empresa como aprendiz. Se perder essa data, a gente perde o ano de 2017 inteiro para o curso integrado e perdemos 6 meses para o curso subsequente. Essa data, então, é crucial. ​
 6 O que o programa apresenta como atrativo ao empresariado?
Além de o Instituto Federal ser referência na formação de mão de obra qualificada e o contrato firmado levar às empresas um estudante que desenvolverá, na prática, o conteúdo apreendido em sala de aula, o empresário que busca essa parceria está entrando no programa com o IFRN tendo o diferencial de não cobrarmos a taxa administrativa, o que desonera grandes empresas em milhares de reais por ano. Outro ponto relevante é a obediência ao que reza a Lei da Aprendizagem, que obriga as médias e grandes empresas (a partir de sete funcionários) a ter entre cinco e sete por cento de seu quadro funcional formado por aprendizes. Fazer a formalização do contrato com estudantes do IFRN ajuda o empregador no cumprimento da cota, obedecendo a lei e não sofrendo penalidades por parte do Ministério do Trabalho e Emprego.
IFRN E EMPRESAS POTIGUARES FIRMAM PARCERIAS DO "PROGRAMA JOVEM APRENDIZ" IFRN E EMPRESAS POTIGUARES FIRMAM PARCERIAS DO "PROGRAMA JOVEM APRENDIZ" Reviewed by Erivan Justino on 24 fevereiro Rating: 5
Postar um comentário

Romário Bispo