POLICIAIS MILITARES DO RN DECIDEM NA QUINTA-FEIRA SE PARALISAM SERVIÇOS


Policiais e bombeiros militares mantém para a próxima quinta-feira (15)  o ato de protesto em frente à Governadoria, no Centro Administrativo do estado, que pode culminar na paralisação dos serviços da categoria. O presidente da Associação dos Subtenentes e Sargentos Militares do RN (ASSPMBMRN), Eliabe marques, disse que caberá aos profissionais presentes ao ato definir quais será a reação quanto à indefinição nos pagamentos dos salários.
O Governo do Estado prometeu para hoje o anúncio do calendário de pagamento dos salários de novembro, mas isso não muda a agenda dos policiais programada para a quinta-feira. “Não muda nada. Falta a folha de dezembro e o décimo-terceiro que ainda estão indefinidos. Nossa mobilização é um forma de expor para a população e para o proprio governo a insatisfação da categoria. Na assembleia definiremos se paramos, a forma como poderemos parar e por quanto tempo”, explica.
Ele argumenta que as associações e entidades de classe são as caixas de ressonância da insatisfação dos profissionais. Segundo relata, os policiais são servidores quevivem sob pressão diária, muitos com a saúde comprometida e o atraso nos salários agrava ainda mais a pressão que sofrem. “Temos caso de policiais que surtaram com tanto estresse e preocupação. Estamos pedindo apenas a regularidade nos pagamentos”, reforça.
Eliabe Marques diz que a categoria está assumindo o risco de passar pelo mesmo que ocorreu em Recife, na semana passada, quando o presidente da Associação dos Cabos e Soldados de Pernambuco (ACS-PE), Alberisson Carlos, e do vice da associação, Nadelson Leite, foram presos em flagrante por descumprimento de ordem judicial que proibe bombeiros e policiais militares de se reunirem para discutir greve.  Os policiais militares de Recife decidiram, então, não fazer greve, mas executam a Operação Padrão, em que realizam apenas serviços básicos, atuando apenas nas ocorrências mais graves. Também decidiram entregar os cargos de jornada extra, que tem sete mil vagas na PM pernambucana.
Para realizar atividades da Polícia Militar, durante Operação Padrão da categoria, o governo do estado de Pernambuco solicitou e foi atendido pelo governo federal com o reforço de 3.500 militares das forças armadas.que chegaram na última sexta-feira, oriundos dos batalhões do Ceará, Rio Grande do Norte, Paraíba, Alagoas, Bahia, Sergipe e Piauí.
“É um risco que sabemos que vamos correr, mas estamos lutando pelo que é justo. A situação é insustentável. É questão de sobrevivência mesmo”, destaca o presidente da ASSPMBMRN.  Ele diz que desde a semana passada quando, em reunião com a equipe do Executivo estadual na governadoria, junto a outras entidades representativas dos servidores estaduais, quando foi rejeitada a proposta dos servidores fazerem empréstimos para o décimo terceiro e o governo pagar depois,  não houve mais nenhuma sinalização da parte do governo estadual sobre o assunto. “O governo não dá nenhuma perspectiva, de forma que não tem como os servidores organizarem suas finanças e o prejuízo só aumenta”, diz Eliabe.
O Comando da Polícia Militar do Rio Grande do Norte informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que até o momento não foi notificado sobre qualquer paralisação da categoria e, portanto, ainda não cogita solicitar reforço  das forças armadas para uma eventual paralisação das atividades da polícia militar no estado, conforme foi anunciado.
POLICIAIS MILITARES DO RN DECIDEM NA QUINTA-FEIRA SE PARALISAM SERVIÇOS POLICIAIS MILITARES DO RN DECIDEM NA QUINTA-FEIRA SE PARALISAM SERVIÇOS Reviewed by Erivan Justino on 13 dezembro Rating: 5
Postar um comentário

Romário Bispo